sexta-feira, 27 de junho de 2014

Luciano Cartaxo, a política está mudando

Luciano Cartaxo, ontem com Agra contra RC. Hoje, com RC contra Agra.
Há pouco mais de um mês chamei a atenção aqui mesmo no blog para o que eu considerava ser uma importante mudança no comportamento de Luciano Cartaxo, que passava a assumir uma postura à altura da estatura política que havia adquirido após eleger-se Prefeito de João Pessoa, a maior e mais importante cidade do estado.
A maneira com que passou a assumir, pelo menos publicamente, o apoio à candidatura de Veneziano Vital do Rego e, mais ainda, após o lançamento de Lucélio Cartaxo, seu irmão, ao Senado, parecia indicar que uma nova liderança emergia na Paraíba, com clareza de suas responsabilidades e disposta a assumir riscos em nome de um projeto político de nação que, hoje, não pertence apenas ao PT, mas mobiliza a paixão compromissada de todos os brasileiros que gostam de assim serem chamados.
Luciano começava a ser a liderança que faltava ao PT e à esquerda na Paraíba, liderança que RC não conseguiu ser ao abandonar o barco ao primeiro aceno que lhe fez o conservadorismo.
E não se enganem. Não foi por outro motivo que, desde então, o governador Ricardo Coutinho passou a investir numa aproximação com o PT, cujo objetivo não era outro que não tentar neutralizar a influência do PT – e desse novo Luciano Cartaxo – na disputa de 2014 e no futuro político da Paraíba.
Mas, sinais provenientes das hostes da administração pessoense teimavam em continuar afirmando que o Cartaxo sentado na cadeira de Prefeito era o mesmo de sempre, excessivamente pragmático, vacilante e com aversão a riscos.
Porque, como é possível pensar em um prefeito petista que não apenas continuava a abrir espaço para adversários políticos nacionais em sua administração, mas estregava a eles secretarias estratégicas, especialmente em ano de uma eleição tão importante não apenas para o seu partido, mas também para o país?
Talvez seja ingenuidade de minha parte se referir a isso como “ingenuidade”. Não, não é. É calculo político, mas um cálculo errado, medido apenas pelo excesso de pragmatismo e um certo deslumbramento com o poder adquirido, o que mostra a pouca consistência política para enfrentar e estar à altura dos desafios que o país tem pela frente.
Cartaxo parece não ter ainda noção da importância adquirida, dos motivos e do significado de sua vitória em 2012. Mais ainda, é incapaz até agora de compreender a ebulição, a radicalidade das mudanças que vive o país e que começam a atingir fortemente o perfil do eleitorado.
Ou seja, da mesma forma que o mesmo eleitorado que viabilizou a ascensão de Cartaxo à condição de liderança exponencial da Paraíba, pode jogá-lo no gueto da marginalidade política. Basta percebê-lo como mais um político que desconsidera ou não coloca em primeiro lugar o interesse público.

2 comentários:

Anônimo disse...

Agora temos Cartaxo contra seus próprios eleitores.

Anônimo disse...

Muita falta de inteligência dos Cartpaxos, nomear secretários aliados a Cássio e depois definir apoio dos girassóis. Vai aprender uma boa lição já agora em outubro. Em 2016 entrará na vala dos políticos anônimos, alijados pelos próprios eleitores.