sábado, 31 de março de 2012

Pesquisa Consult: Tatiana Medeiros mostra potencial

Tatiana Medeiros



Os resultados da pesquisa Consult, divulgados hoje, mostram uma única novidade em relação ao quadro eleitoral no final do ano passado: um expressivo crescimento de Tatiana Medeiros, do PMDB, que alcança os dois dígitos e chega aos 11,69%. 
 
Talvez esse resultado tenha decepcionado quem imaginava que a candidata do prefeito Veneziano Vital estivesse mais próxima dos seus principais adversários, Daniela Ribeiro e Romero Rodrigues, com 27,69% e 24,92%, respectivamente.

Eu penso o contrário. Tatiana Medeiros tem muito a comemorar. Primeiro, porque tanto Daniela Ribeiro quanto Romero Rodrigues mantiveram mais ou menos as mesmas posições que ostentavam antes, ou seja, a diferença entre os dois candidatos que lideram a pesquisa diminuiu em relação aos números obtidos por Tatiana Medeiros no ano passado.

Um segundo dado, esse mais relevante, são os números da pesquisa estimulada. Nesse quesito, que a essa altura da campanha tem mais importância para apontar a consistência do voto e as potencialidades de cada candidato, a diferença entre eles cai mais ainda: Daniella Ribeiro tem 13,38%, Romero Rodrigues tem 12,77% e Tatiana Medeiros, 6,62%. São menos de 5%, o que significa um empate técnico.

Esse aspecto (os números da pesquisa espontânea), por exemplo, foi relevado por muita gente na análise da eleição presidencial de 2010, quando Dilma aparecia bem atrás de José Serra nas pesquisas estimuladas no início do ano. Entretanto, quando os números das pesquisas espontâneas apareciam, a diferença caía drasticamente. No final, Dilma venceu com relativa folga.

Não que isso vá acontecer necessariamente em Campina Grande nessas eleições: Tatiana não é Dilma, nem Veneziano é Lula. O que será relevante no caso da eleição de Campina será a capacidade de transferência tanto da liderança do prefeito Veneziano Vital quanto da boa avaliação de sua administração para Tatiana Medeiros, o que nós só saberemos quando começar a campanha de verdade, especialmente na TV. Até lá, é provável que Tatiana Medeiros, mantendo o ritmo de crescimento que ela tem hoje, esteja empatada com os dois principais candidatos.

Observando o caso de Campina Grande, lembrei-me da eleição de Recife em 2008. João da Costa, do PT, até então um desconhecido secretário do então prefeito João Paulo, quando foi anunciado candidato em meados de 2007 tinha números inferiores aos 4%. Em dezembro de 2007, Mendonça Filho, candidato do DEM, ostentava 22%, enquanto João da Costa chegava a 8%. 

Em julho de 2008, Mendonça Filho continuava a frente, com 30% das intenções de voto, mas João da Costa já aparecia com 22%. Nesse mesmo mês, a administração petista de João Paulo obtinha 58% de ótimo e bom de avaliação. (clique aqui para conferir no Datafolha). João da Costa acabou eleito no primeiro turno, com 51% dos votos.

A lembrança do caso de Recife em 2008 serve como um bom exemplo de que uma administração bem avaliada pode eleger um candidato, mesmo desconhecido do eleitorado. Nesses casos, os candidatos mais conhecidos sempre partem na frente. O difícil é convencer o eleitorado a arriscar seu voto para mudar uma administração que ele aprova. 

Enfim, eu sempre gosto de lembrar uma frase que resume bem a situação de Tatiana Medeiros em Campina: entre a definição da candidatura e a eleição existe uma campanha eleitoral no meio. É nesse período que as eleições se definem. Por ora, o relevante é observar o potencial de cada candidato/a. E o de Tatiana Medeiros é inquestionável.

PS. O WSCOM deveria mudar de nome. Que tal Blog da Lucia Guerra?

Nenhum comentário: