sábado, 6 de outubro de 2012

Porque decidi votar em José Maranhão II



José Maranhão é um político de outra geração. Isso, na política atual, que parece uma obviedade, tem um significado muito particular, especialmente quando comparamos a geração nascida e formada politicamente antes de 1964 com aquela do pós-Golpe Militar, ou seja, daqueles que entraram na política pós-1985, e a qual pertence todos os outros candidatos a prefeito de João Pessoa.

A geração pós-golpe é a geração proveniente de um hiato, um hiato de 21 anos de ditadura, portanto, de uma geração de referências políticas moldadas no autoritarismo que impediu o livre debate de ideias sobre os grandes temas do Brasil, especialmente a questão agrária e a dependência . Já a geração pré-64 é a geração do pós-Segunda Guerra, do nacionalismo, numa conjuntura que não poderia ser outra coisa a não ser de esquerda, do desenvolvimentismo, da Petrobrás, que desaguou no grande debate nacional sobre a necessidade das “reformas de base”.

Essa geração que entrou para a política no imediato pós-64 é a geração do Brasil urbano e industrial, da nova classe média e da nova classe operária, da moderna agricultura do “agronegócio” e do pleno desenvolvimento do capitalismo no campo, e a geração da modernização conservadora, que já nasce em plena era televisiva, na qual o marketing é o expoente máximo. É a geração que vai assistir o desenrolar final da crise e do fim da União Soviética e da Guerra Fria, sendo, portanto, a geração do “fim da história” e da plena hegemonia do militarismo norte-americano, cujo sintoma intelectual mais sensível e o da crise do marxismo. É a geração que vive o nascimento da hegemonia neoliberal e do pensamento único, e de uma esquerda em crise de identidade e de paradigma. Essa é a geração de Cícero Lucena, de Estela Bezerra e de Luciano Cartaxo.

A geração que entrou para a política no imediato pós-Segunda Guerra é a geração de um Brasil que começava seu impulso de industrialização e de urbanização. É a geração que viveu intensamente o debate sobre a necessidade da reforma agrária e de uma industrialização de bases nacionais, cuja campanha do Petróleo é Nosso, que mobilizou a juventude da época, é expressão máxima. É a geração do rádio e do comício, onde a palavra, e não a imagem, era mais importante. É a geração da expansão soviética e da Guerra-Fria, do embate mundial entre dois sistemas socioeconômicos (capitalismo X socialismo), da Revolução Chinesa, da Guerra do Vietnã e, particularmente, da Revolução Cubana, do nacionalismo e do imperialismo, das Ligas Camponesas. É a geração da maior efervescência política e cultural que o Brasil já viveu. Essa é a geração de José Maranhão.

E José Maranhão foi formado politicamente nesse período e foi vitima de suas opções. Filiado ao PTB varguista, José Maranhão se considera um nacionalista e um desenvolvimentista, e por isso foi cassado pelos militares. José Maranhão tinha um lado nesse embate de proporções históricas para o Brasil que aconteceu na década de 1964. Filiado ao MDB, único partido de oposição ao regime, Maranhão foi cassado pelo AI-5, em 1969, e ficou sem direitos políticos até 1979, com a Lei da Anistia, e manteve sua filiação ao MDB, agora PMDB. É dessa trajetória que provem a amizade com Antônio Mariz, político que a Paraíba sempre reverenciou e da qual resultou na escolha de Maranhão para seu candidato a vice-governador, 1994.

Por que a referência geracional para justificar uma escolha eleitoral? A resposta nós podemos encontrar nos candidatos a prefeito de João Pessoa e em seus vai-e-vens políticos e ideológicos. Num ambiente cuja marca é a completa ausência de coerência com suas posições anteriores e com sua trajetória, pela opção por um pragmatismo sem limites quando se trata de projetos e alianças, José Maranhão é aquele candidato que, por sua experiência e por sua trajetória, nos transmite maior confiança e consistência.

Por isso, amanhã, meu voto é José Maranhão.

Nenhum comentário: