terça-feira, 6 de abril de 2010

Composição atual das chapas ao governo da Paraíba dá vantagem a Ricardo Coutinho


A renúncia do prefeito de João Pessoa, Ricardo Coutinho, consolida definitivamente o quadro dos postulantes ao Governo da Paraíba, restando agora apenas as definições a respeito da candidatura de Cícero Lucena e a definição a respeito dos possíveis candidatos a vice das principais chapas ao governo.

A permanência de Veneziano Vital do Rego na prefeitura de Campina Grande deixa o governador José Maranhão numa situação difícil, pois ele agora tem que buscar compatibilizar a manutenção do PT e a definição estratégica de um nome de Campina Grande na chapa majoritária. Nas mãos dos Vital do Rego em Campina, aparentemente quem conduz a formação da chapa maranhista são os dois irmãos campinenses, que, além de permanecerem com a prefeitura nas mãos, indicaram um senador e querem indicar o vice. Só o PT acha que Luciano Cartaxo pertence a cota do partido.

No futuro, José Maranhão pode lamentar e muito a decisão do prefeito de Campina Grande, que certamente trará grandes dores de cabeça tanto na fase de definição da chapa quanto no desenrolar da campanha. Entretanto, essa atitude pode respingar no futuro no próprio Veneziano Vital do Rego, que não só pode ter deixado escapar o caminho mais curto para se eleger governador em 2014, como criará arestas com poderosos nomes dentro do seu partido.

Portanto, de todas as decisões anunciadas na semana passada, a mais decisiva foi a da permanência de Vital do Rego na prefeitura de Campina Grande. Talvez mais do que a própria renúncia de Ricardo Coutinho, que, assim como José Serra, não tinha mais como recuar de sua decisão de concorrer ao Governo da Paraíba.

Assim, no campo maranhista, os indícios a respeito de quem será o candidato a vice parecem indicar que o nome mais provável, hoje, pode ser mesmo o de Luciano Cartaxo, mesmo com os gestos de pressão que o vice-governador faz questão de tornar ostensivos: o que Cartaxo foi fazer na cerimônia de renúncia de Ricardo Coutinho, um ato de viés claramente político? Representar o governador José Maranhão?

Por outro lado, no campo ricardista, tudo se encaminha para, ratificada a aliança com o PSDB, Ivandro Cunha Lima assumir a condição de candidato a vice.

Portanto, se o quadro atual persistir, teremos as principais chapas majoritárias assim delineadas:

Pelo PSB/PSDB/DEM: Governador: Ricardo Coutinho; Vice: Ivandro Cunha Lima; Senadores: Cássio Cunha Lima e Efraim Moraes.

Pelo PMDB/PT: Governador: José Maranhão; Vice: Luciano Cartaxo; Senadores: Vital do Rego Filho e Wilson Santiago.

Se forem mesmo confirmadas as chapas acima, observe que a chapa liderada pelo PSB reforça significativamente suas posições nas duas cidades estratégicas e com grande poder de irradiar sua influência, que são João Pessoa e Campina Grande, não por acaso, os dois maiores colégios eleitorais do estado.

De João Pessoa, Ricardo Coutinho, candidato a governador, até recentemente prefeito da cidade, e que deixou o cargo muito bem avaliado; de Campina Grande, Ivandro e Cássio Cunha Lima, dois representativos nomes com fortes vínculos políticos com a cidade. Um quadro assim, com nomes expressivos a representar eleitoralmente as duas cidades, só se viu em 1986, quando o PMDB lançou o pessoense Tarcísio Burity para governador e o campinense Raymundo Asfora, para vice. Eleitoralmente, deu no que deu.

É claro que a situação mudou, mas de lá para cá Campina Grande teve seu bairrismo político apenas estimulado, e João Pessoa, que nunca teve a característica de ser bairrista, pode começar a achar que chegou a hora de eleger novamente um governador da terra.

A chapa PMDB-PT, é claro, não está de todo descoberta nessas duas cidades. Em João Pessoa, o PMDB sempre teve força, e conta com o prestígio do próprio governador na cidade, mas é difícil saber se ele terá forças para confrontar o prestígio pessoal de Coutinho. O vice, que é pessoense, tem uma influência residualíssima, porquanto ser ele figura de pouca expressão política na cidade, e assim pouco acrescentará em termos de voto.

Resta a José Maranhão explorar ao máximo a aliança, muito mal vista na cidade, que Ricardo Coutinho fez com Cássio Cunha Lima e Efraim Moraes. Entretanto, é bom não esquecer que Cássio Cunha Lima em pessoa obteve 40% dos votos da cidade, em 2006. As obras que foram iniciadas no seu governo, muitas em parceria com a prefeitura, certamente abrandaram o sentimento de rejeição que o pessoense tinha pelos Cunha Lima na cidade. A minha rua, no Bessa, por exemplo, depois de quase 10 anos de lama e poeira, acaba de ser liberada para o tráfego. Isso, é claro, não define meu voto, mas certamente exerce influência na decisão do eleitor mais pragmático que, diga-se de passagem, é a amplíssima maioria.

É preciso saber se esse discurso contra a aliança Ricardo-Cássio-Efraim já deu o que tinha que dar e se o eleitorado, passada o choque inicial, já incorporou a idéia como fato consumado, o que só vamos descobrir quando o eleitor pessoense começar a pensar mais seriamente em quem vai votar, o que vai começar pela avaliação sobre se Ricardo Coutinho, mesmo com os aliados que tem, merecerá ou não o seu voto. E a campanha, especialmente na TV, certamente vai ajudar nessa decisão.

Em Campina Grande, mantidas as chapa acima, é difícil prever qual será o comportamento do seu eleitorado, já que nenhum dos candidatos a governador é filho da cidade, o que difere do aconteceu em 2002 e 2006. Por outro lado, o PMDB controla as máquinas do estado e da prefeitura ao mesmo tempo, elemento fundamental que certamente distinguirá 2010 de 2002 e 2006. Assim, é improvável que vejamos repetidos os resultados das últimas eleições que deram expressivas diferenças em favor de Cássio Cunha Lima. Não naquelas proporções.

Entretanto, existe um fator que torna de difícil previsão o comportamento majoritário do eleitorado campinense. A questão novamente recai na escolha do vice. Sem um vice de Campina Grande na chapa de José Maranhão para contrabalancear a disputa, e com Ivandro Cunha Lima como vice de Ricardo, que tem um perfil distinto tanto de Cássio, seu sobrinho, quanto de Ronaldo, seu irmão, empresário que é, pode ser que ele seja depositário mais uma vez do bairrismo campinense, que só quem viveu na cidade em tempos de campanha sabe do que se trata. Eu vivi e sei exatamente do que estou falando. É uma pressão quase sufocante.

Quando movimentos desse tipo se estabelecem na cidade, ele parecem ganhar vida própria. E independem, por exemplo, de Veneziano Vital se envolver ou não na campanha - em 2006, é bom lembrar, Veneziano já era Prefeito da cidade e com prefeitura e tudo José Maranhão tomou um banho de votos.

E um dado que pode ajudar na estratégia ricardista-cassista é que o bairrismo será usado inevitavelmente por todos os candidatos, o que ajuda a criar o clima necessário para estimular os campinenses a votarem nos candidatos da terra. Vital do Rego Filho, por exemplo, já começa a instigar esse comportamento eleitoral e certamente ele se beneficiará - ao lado, como sempre, de Cássio Cunha Lima - do bairrismo apaixonado da cidade. Ora, a construção desse clima é perfeita para o bairrismo explodir com força durante a campanha e orientar o voto das pessoas na cidade.

O que vai sair daí é difícil prever, mas eu estabeleceria uma vantagem para a chapa ricardista, se for mesmo Ivandro Cunha Lima o campinense indicado para vice. E se for mesmo o pessoense Luciano Cartaxo o vice de José Maranhão.

8 comentários:

heliojampa disse...

Apesar de ser cedo para qualquer avaliação, algumas pontos podemos afirmar como resultado dessas alianças:
Pelo PMDB, Maranhão pode engolir Cartaxo, que pode se transformar uma indigestão no futuro, trazer dificuldades até para Dilma, em um território em que Lula nunca perdeu eleição.
Pelo PSB, Ricardo pode não ganhar, mas com certeza ressuscitará o PSDB e o DEM, partidos há muito já moribundos.
Apesar da grande aceitação de Ricardo em João Pessoa, não podemos esquecer que na eleição passada ele não tinha adversários, e hoje, o principal adversário, foi o principal aliado.

Anônimo disse...

Excelente o comentário, acho que com a não desimcompatibilização de Vené, Zé sofreu uma certa derrota. E se for, realmente, confirmado o vice de Ricardo ser de Campina, a coisa vai ficar difícil para Maranhão.Vamos supor, que Ricardo vença na capital com 20% e em Campina, com 20%, considerando o apoio dos Cunha Lima e a fragilidade de Maranhão, de não possuir um vice de Campina, será, difícil Maranhão, tirar essa diferença nos outros colégios eleitorais.Enquanto aos apoios, ao projeto de reeleição de Zé, o que percebo, são partidos, extremamente, divididos PT, PTB etc. E é preciso também combinar, esses apoios com o povo, pois, é ele quem decide.

Zilma Barros disse...

Como sempre, sua avaliação é pertinente. Se confirmada a composição das chapas, a vantagem será de Ricardo. Entretanto, temos que ponderar alguns pontos. Embora Ricardo tenha sido o melhor prefeito que João Pessoa já teve, pecou de forma gritante na saúde e no trato e valorização do funcionário público municipal, isso refletirá, diretamente,nas urnas. Outro ponto considerável é o fato intragável, para os ricardistas, da aliança fimarda com Cassio. Enfim, a vantagem é de Ricardo, não sei se será do povo.

Anônimo disse...

Se os paraibanos optarem pela chapa Ricardo-Cássio-Efraim,enfatizada em seu artigo como de maior vantagem para eles, infelizmente a "vantagem" real será em prol de tudo que já foi comprovado pela Justiça da PB e do Brasil:corrupção,corrupção...
Uma pá de cal sobre a ética e a moralidade administrativa. Espero sinceramente que o nosso povo esteja alerta!
Gelza Rocha

Tales Henrique disse...

Os pessoenses não veem bem a aliança de seu 'querido' ex-prefeito. Dizem que não há político imaculado, que não se conspurcar em sua carreira. Espero que o fins justifiquem os meios.

Anônimo disse...

juru ze caneco falou que juiz eleitoral errou mais duvida ele tira ele daqui para maio dese ano 22/04/2010

Anônimo disse...

oprefeito de juru falou que o juiz eleitoral errou na casaçao dele em princesa isabel no dia 23/03/2010
o secrerario dele falou que derupa o juiz de princesa isabel no dia vinte cinco dese ano

Anônimo disse...

opresidente da carama municipal de juru teve um discusao com o presidente do sindserj de juru o presidente case brigava com ele por calsa do pagamento que prefeito deve aeles dois meise