terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Estelizabel não é um poste

Estelizabel Bezerra: de besta ela não tem nada
Quem imaginava que Estelizabel Bezerra não tinha qualidades como candidata pode começar a mudar de opinião após ter assistido à entrevista que a candidata do PSB à prefeitura de João Pessoa concedeu ontem ao programa Conexão Master.

Para quem não a conhecia – e isso inclui muita gente, – foi surpreendente se defrontar com a desenvoltura da escolhida de RC. Tranquila, didática e, por vezes, irônica, Bezerra também mostrou que sabe seguir bem um script.

Tratou de vários temas – alguns que certamente serão espinhosos durante a campanha, – mas em nenhum momento mostrou-se abalada ao responder aos entrevistadores e twitteiros que participam do programa.

Sobre a defesa da descriminalização do aborto, por exemplo, Estelizabel não fugiu do assunto e enfrentou-o sem medo. Mostrou dados que estabelecem a relação entre as tentativas de abortos mal feitos e a mortandade de mulheres, especialmente as mais pobres, tentando afastar o argumento moral que normalmente constitui a base dos que condenam a prática, acrescentando – no início da conversa – que era contra o aborto, mas que este deveria, para além do julgamento moral, ser tratado como uma questão de saúde pública.

Enfim, nesse ponto é bom os adversários terem cuidado ao levantar o tema durante a campanha para evitar serem empurrados para o gueto do conservadorismo, como aconteceu a José Serra em 2010.

Entretanto, Estelizabel que se cuide: seu argumento não acrescenta nada a esse verdadeiro embate de surdos que é a discussão sobre o direito a um aborto seguro e, se essa questão não frequentar os programas de TV, ela deve aparecer com força nas igrejas na forma de sermões de pastores e padres mais radicais.

Um outro assunto que a candidata de RC tratou foi a desapropriação da Fazenda Cuiá. Sem entrar no mérito de suas justificativas, Bezerra mostrou que fez bem o dever de casa, inclusive porque a ação da prefeitura passou por suas mãos, como ela mesma disse, ao relacionar o “Caso Cuiá” a outros processos de desapropriação que a Prefeitura fez durante a sua gestão na Secretaria de Planejamento.

Durante a entrevista, Estelizabel deixou claro que pretende evitar que o debate sobre corrupção ganhe relevo no seu discurso eleitoral. A candidata do PSB propôs enfaticamente que o debate programático seja priorizado, aliás, nada mais conveniente para um candidato de situação, o que sugere uma tática corretíssima. Só faltou alguém perguntar porque RC, o padrinho de Estelizabel, não seguiu esse conselho em 2010, detonando como pôde o governo de José Maranhão.

Uma outra escorregada que ela poderia ter dado foi quando, por outras razões alheias ao debate, surgiu a discussão sobre “nepotismo” e, sem ser instada a falar, Bezerra ensaiou uma crítica a essa prática, falando em impessoalidade, mas esquecendo que seu tutor político manteve irmãos na prefeitura, especialmente o mais dileto, Coriolano Coutinho, em cargos estratégicos da administração. Seria interessante que ela respondesse, por exemplo, por que a PMJP nunca fez aprovar na Câmara de Vereadores uma “lei antinepotismo”. Ah, que inconveniente essa coisa de comparar o discurso com a prática...

No frigir dos ovos, Estelizabel Bezerra passou com folga no seu primeiro teste, mostrando que ela tem atributos, além de ser da confiança do governador, aspecto que deveria por fim ao oba-oba oposicionista que parece indicar que a disputa será fácil, entre outras coisas, por conta da candidata situacionista.

Estelizabel mostrou potencial para o debate. E esse é o primeiro atributo de uma boa candidata, coisa que Luciano Agra, por exemplo, nunca teve. Mas, se ela vai resistir à artilharia pesada de uma campanha, às contradições de sua própria administração e à comparação entre o discurso de campanha e a prática administrativa do seu partido, isso é uma outra história.

2 comentários:

Raymundo Neto disse...

Me desculpe, mais as cifras de abortos clandestino é uma inveção. Não tem dados estatisticos. Isso é coisa de matarialista marxistas para manipular a massa para aprovar uma insanidade. A esquerda marxistastalenista é craque em esconder sua ideologias como aborto e prática homossexual. Para ver como esses reacionários do socialismo capitalista do PSB e seus ideologos tem uma mentalidade bestial. As sua grandes bandeiras de luta é garantir o deireito de sexo anal e oral para os homossexuais e matar fetos.

jose barbosa disse...

Caro sr: Raimundo lendo o seu comentário eu me pergunto que planeta vc vive, que comentário preconceituoso, o sr: já leu MAX mesmo, parece que não. O sr: gosta de estatística porquê não visita um maternidade quantas mulheres tão entrada com sangramento nos primeiros meses e são mulheres pobres. Estelizabel vai governar a cidade, vc deveria pergunta se no seu bairro tem escola, posto de saúde e uma praça se a cidade melhorou ou não. Ela representa um projeto uma administração aonde vc tem vez e voz.