sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Proposta de pesquisa é senha para Bandeira sair do páreo

Bandeira orienta RC em debate: RC precisa dele tanto quanto ele de RC
A recente declaração do vereador do PPS, Bruno Farias, ratificada em seguida pelo próprio Nonato Bandeira, em defesa de uma pesquisa para solucionar o que parecia ser um impasse na base ricardista em João Pessoa é a senha para a retirada da candidatura de Nonato Bandeira. 

Antes, o tom era de que Bandeira seria mais uma opção do eleitor e dos partidos da base de apoio ricardista, ou seja, que o Secretário de Comunicação do Governo da Paraíba iria para a campanha independente da benção de RC.

A mudança sinaliza muito mais do que uma alteração no discurso, mas a senha para a desistência de Nonato Bandeira, não por acaso anunciada imediatamente após uma viagem de alguns dias em que Bandeira e RC estiveram juntos, e conversando muito.

A presumível desistência de Bandeira é, a rigor, um reconhecimento de suas limitações para seguir em frente. Confrontar o governador na eleição da capital significava, para Bandeira, mais do que uma simples divergência, seria um perigoso diversionismo em relação aos objetivos estratégicos do governador.


Além de rachar a base de apoio governista, a candidatura de Bandeira colocaria em risco a estratégia de RC de conduzir a disputa para uma polarização, se possível com o menor números de candidatos.


A proposta de pesquisa é, na realidade, pode ser encarada como uma saída honrosa que o governado ofereceu para Nonato Bandeira, cujos serviços são e continuam imprescindíveis a RC. 

Mas é só o que vai parecer. No final dessa pendenga, Nonato Bandeira, mesmo na desistência, sairá fortalecido. Mostrou que não é submisso às determinações do governador, que foi confrontado publicamente e forçado a fazer um acordo com seu secretário.

Além disso, Bandeira conseguiu, como grande articulador que é, unir em torno de si uma grande quantidade de lideranças e partidos, inclusive Cássio Cunha Lima, principalmente, e mostrou que sua presença é fundamental para o governo, que perdeu várias batalhas de comunicação durante sua ausência.


Nonato Bandeira aparentemente foi submetido, mas é preciso considerar o contrário: RC é que foi obrigado a se dobrar diante do seu mais importante assessor. Bandeira abriu as asas para voos mais altos.

Um comentário:

Anônimo disse...

Nonato é candidato sim. POrque tanto medo da candidatura dele?