sexta-feira, 5 de julho de 2013

A VOLTA DE LULA?

Lula venceu todas as adversidades em sua vida, da pobreza ao câncer. E está diante de um novo desafio

O PT deve conviver hoje com uma incômoda dúvida: a Presidenta Dilma Rousseff é a melhor candidata para dar continuidade ao projeto de governo iniciado há 10 anos por Lula? Dessa dúvida, um inevitável dilema surge: Lula deve voltar ou manter-se afastado da disputa presidencial?

Essa questão veio à tona depois que as grandes manifestações populares e estudantis foram às ruas para expor o descontentamento, de cima a baixo, com as instituições do país, e acabaram por colocar em xeque práticas amplamente disseminadas na política brasileira, que lideranças e partidos, confortavelmente acomodados, teimavam em não reconhecer.

Num rasgo do senilidade política, presidentes de poderes e ministros do PMDB sequer esperaram a poeira baixar para se meterem em viagens com familiares à bordo de aviões da FAB para cumprirem suas “agendas” pelo país afora, de jogo de futebol a casamentos de compadres. A acomodação política dos últimos anos parece ter turvado a percepção da realidade de alguns políticos do PMDB, espero que não de todos.

Se essas manifestações ajudarão a mudar alguma coisa, só o tempo dirá. E, não esqueçamos, o tempo é o ingrediente principal para manter a velha tradição das eleites brasileiras de “mudar para deixar tudo como está”. Acossados pelas manifestações e pela proposta de realização de uma Constituinte, a velha política, com a ajuda sempre disponível da grande imprensa e dos "juristas" de plantão, cuidaram logo de afastar o perigo. Constituinte, não! E Dilma recuou muito cedo, sem assegurar que pelo menos que o plebiscito fosse realizado.

Pouco mais de uma semana depois, o PMDB e os outros partidos da “base” já seguram o caixão do plebiscito, ansiosos para enterrá-lo definitivamente. Tudo que cheire à participação popular remete a perigo. O que eles querem é fazer voltar a velha acomodação política para a qual o PT também foi arrastado, isolado pelo conservadorismo.

A volta de Lula: razões políticas

É para tirar o PT desse círculo de fogo que Lula deve voltar a emprestar sua liderança. Trata-se de renovar e reorganizar o projeto político, acenando com novos compromissos e novos desafios. A atual aliança política já deu o que tinha que dar: viabilizou a sobrevivência das armadilhas dos primeiros anos de governo para dar início, em seguida, à gestação de um novo modelo de desenvolvimento.

O desafio hoje é ir além. O que só pode ser feito se o PT deixar de ser refém do PMDB, da grande imprensa e de setores da classe média, e construir uma nova aliança nacional a partir de um projeto mais claro de país. Enfim, na conjuntura aberta depois da crise internacional de 2008-2009 e, mais recentemente, após as manifestações que expuseram a velha fratura entre um país rico (a 5ª maior economia do mundo) e a pobreza do seu desenvolvimento, o projeto mais do que nunca é consolidar – para não assustar os desinformados ou avessos à mudanças mais “radicais” – um programa neokeynesiano, que ajuste aos desafios sociais e econômicos atuais às necessidades históricas brasileiras que, imagino, sempre foi a “vocação” histórica do PT.

Sem dar respostas concretas a essas questões, restará o apelo para manter tudo do jeito que está, mesmo com os (grandes) avanços verificados. A questão é saber se os desafios da sociedade de hoje são os mesmos de dez anos atrás. Com a maior parte da classe média, isso está cada vez mais cristalino, o PT não conta mais. Ela mostrou ser o que sempre foi no Brasil: conservadora e resistente às mudanças, traços que ela procura esconder por trás de um velho falso-moralismo político. 

Acenar para esses setores é o mesmo que acenar para uma paisagem sombria. Por mais que existam, eles serão incapazes de reconhecer alguma qualidade política na esquerda. E só seremos capazes de enxergar neles maus augúrios contra os pobres e contra a democracia. E, sem a maior parte da classe média, resta o apelo ao povo. 

Mas, Dilma é o melhor nome para isso?

A volta de Lula: razões eleitorais

A “gerente” Dilma Rousseff submergiu à política e nem com a imagem de "técnica" que ela cultiva desde a campanha de 2010 ela foi capaz de consolidar. No governo, ela só conta hoje com os cargos para manter a docilidade do PMDB, sempre a dar uma no cravo e outra na ferradura. 

E quanto mais setembro de 2014 se aproxima, mais o preço da fatura aumentará, e Dilma estará enredada com o que o povo mais deplora hoje em casa ou nas ruas. E sem o PMDB, Dilma dificilmente se reelege. Além disso, é bom lembrar, que mesmo que recupere a aprovação ao seu governo, o que provavelmente vai acontecer, isso não significa intenção de voto. Em 2010, Lula tinha mais de 80% de aprovação e mesmo assim tivemos segundo turno. E num segundo turno contra Marina Silva, as chances de derrota são imensas.

Eis um dilema difícil de ser superado, a não lançando um outro candidato com um vice de outro partido. No PT, nas circunstâncias atuais não há outro candidato em condições de vitória a não ser Luís Inácio Lula da Silva. Lula é um homem de sorte. E sorte, como eu já defini, são as circunstâncias conspirando em seu favor. Durante o seu governo, Lula enfrentou as maiores crises sempre a tempo de revertê-las.

A do “mensalão”, em 2005, ajudou Lula a dar uma virada no seu governo, começando a gestar ali o início o novo modelo econômico para diferenciar-se do PSDB. Com a crise de 2008-2009, no final do segundo governo, abriu-se uma dupla oportunidade: o Brasil passaria pela maior crise do capitalismo depois de 1929 sem grandes sobressaltos – sintoma de consistência do modelo em gestação – o que deu razão a Lula para justificar e aprofundar a direção desenvolvimentista do seu governo, desmoralizando seus tradicionais críticos econômicos na imprensa, a repetirem ad nauseam as velhas receitas que ajudaram a quebrar várias vezes o Brasil, mas não os bancos que eles representam.
  
Lula está diante de uma nova oportunidade. Voltar à cena política como candidato para completar o ciclo por ele iniciado e consolidar o modelo de desenvolvimento econômico e social, talvez a mais original experiência depois de ascensão e queda do neoliberalismo na América Latina, esse fantasma que teima em reconhecer que não morreu e continua a nos assombrar falando, entre outros, pela boca tenebrosa de Miriam Leitão. Oferecer ao Brasil a força de sua imagem quase mítica a serviço da mobilização social em busca de mudar, de verdade, o Brasil, e rememorar o velho Lula e o velho PT, restabelecendo o encontro com as ruas, é o que se esperar que Lula faça.

Que Lula não se engane: é a ele que o conservadorismo e a mídia pretendem derrotar em 2014. Foi contra ele que tentaram dirigir as energias contestadoras das manifestações. É Lula que pretendem desmoralizar e destruir sua herança, para que nada reste a não ser uma memória trágica e corrupta para as futuras gerações. Enfim, ninguém melhor do que Lula para defender o seu legado, a ser renovado em um novo governo, com novas energias.

A candidatura de Lula, além de mobilizar com mais paixão os mais pobres para preservar o que já foi conquistado e avançar em novos compromissos, teria o condão de neutralizar a candidatura de Eduardo Campos, abrindo com isso a possibilidade de um novo vice que ajude a tirar o PMDB de cena, unindo o PSB, hoje dividido, e restituindo-o ao seu bloco histórico. 
Campos é candidato contra Lula?

Além disso, Marina Silva perderia parte do apelo que sua candidatura pode representar para os mais pobres por conta de sua origem. E com ela, por que não pensar numa recomposição? Uma vice ideal?

Essa é uma decisão para a qual o PT e Lula não dispõem de muito tempo para tomarem. A aposta na manutenção da candidatura de Dilma é legítima, mas será uma aposta. 2010 mostrou até onde a oposição pode ir. Agora, temos a enriquecer o exemplo de 2013.


Lula, por outro lado, não é uma aposta. A não ser que haja um tsunami econômico, é quase certeza de vitória.

Nenhum comentário: