terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Hospital de Trauma: relato do caos

Impressionante relato no Facebook do tratamento recebido pelo irmão da jornalista Raquel Medeiros no Hospital de Traumas de João Pessoa. 

No domingo à tarde, depois de um acidente de moto, o irmão de Raquel dá entrada no HT com fratura exposta no braço.

Retrato do caos: com RC, o HT gasta mais atendendo menos da metade dos
pacientes que atendia antes. Essa é a competência ricardista. 
Ele também sangra pelo nariz.  24 horas depois, o rapaz é transferido sem cirurgia para o Htop (anexo do Trauma). 

Não há nem lenço nem papel higiênico para a higiene pessoal, do paciente e dos acompanhantes. 

Vejam que se trata de um hospital de traumas, que atende pacientes, em geral, com fraturas expostas!

 Até às 19 horas de ontem, 50 horas depois do acidente, a cirurgia do braço do paciente ainda não tinha sido feita. 

E pior. É descoberta a razão para o sangramento nasal: fratura no na face.

Leiam vocês próprios esse dramático relato, que certamente não é o único. Só que desta vez aconteceu com quem tem voz, e coragem para expor a verdadeira situação do Hospital de Traumas da Paraíba, que um dia foi um hospital de referência, e o caos em que vive a saúde pública do nosso estado.

Sábado - 26 de janeiro às 15:47

Após 24 horas do acidente de moto com meu irmão, a família está traumatizada pela falta de informação. Há pouco, às 14h30, soubemos da transferência para o Htop: sem cirurgia realizada da fratura no braço, com muitas dores e sem perspectiva para o atendimento real. O que percebo: funcionários camuflando a realidade e pensando que nós, parentes, somos alheios ao caos. Atendimento "humanizado" é isso. Governo da Paraíba de parabéns, amontoando gente como se fosse mercadoria em estoque.

Sábado - 26 de janeiro às 21:00

Boletim do Hospital de Trauma
14h30: Meu irmão acidentado por um carro na Av. Beira Rio. Entrada no Hospital.
1h30 da manhã: atendimento e permanência na Ala Vermelha (limbo)
10h - ainda na Ala Vermelha paciente espera cirurgia do braço
Família sem acesso e informações precisas.
14h: transferência para o Htop (anexo do Trauma)
Não há médico para avaliar o paciente
16h: paciente se contorce de dor e tem sangramento nasal. Não há, sequer, papel higiênico na enfermaria
18h: família leva Kit de higiene ao hospital (algodão, lenços de papel, lenços umedecidos, cotonetes). Hospital desmente a falta de material na enfermaria. Entro e comprovo a falta de cuidado com pacientes e acompanhantes.
20h: Médico? Só amanhã, segunda-feira. Rezar para não haver complicações.

Segunda - 27 de janeiro às 18:31

A Saúde humanizada do Estado da Paraíba

Paciente com fratura exposta espera 12h por atendimento no Hospital de Trauma. Dores, risco de infecção e desrespeito à vida.
Do lado de fora, família sem informação para não denunciar os abusos.
Este é o tratamento humanizado do GOVERNO DA PARAÍBA. O CAOS é o selo de "Acreditação" da Saúde paraibana.
Cirurgia? Sem previsão.

Segunda - 27 de janeiro às 19:30

Governo da Paraíba faz mal à Saúde

Mais de 50h após paciente dar entrada no Hospital de Trauma (vítima de acidente de moto) com fratura exposta no braço, é descoberta uma fratura na face. O sangramento nasal permanente sinalizou à família que algo estava errado e ignorando o "quadro normal" pediu, insistentemente, nova avaliação médica.

Não há como descrever o sentimento de impotência. O Hospital de Trauma simboliza a tragédia da saúde pública do Estado. A população quer respeito e compromisso com a vida.

PS: O Hospital de Trauma de João Pessoa quer receber o certificado de Acreditação. O selo, semelhante ao ISO e exclusivo das instituições de saúde, atesta a qualidade dos serviços prestados. Quem pode ACREDITAR e confiar neste tipo de atendimento? Propaganda enganosa do Governo da Paraíba.

Segunda - 27 de janeiro às 20:34

Boletim do Hospital de Trauma 
16h: paciente deixa o Htop e retorna ao Hospital de Trauma
18h: detectada fratura na face após 50 horas do acidente
19h: paciente com dor, espera cirurgia da face e da fratura exposta no braço no corredor, com outras dezenas de enfermos entregues à sorte.
Amanhã a família tem que "batalhar" vaga na enfermaria.
Durma com um descaso desta proporção.

Boa noite:
Ricardo Coutinho, governador da Paraíba
Waldson Dias de Souza, secretário de Saúde do Estado
Edvan Benevides, diretor técnico do Hospital de Trauma
Leide Neria, coordenadora da Urgência e Emergência do TRAUMA

Segunda - 27 de janeiro às 21:39

Rolezinho da Imprensa no Hospital de Trauma

O que parece ao Dr. Edvan Benevides, diretor técnico do Hospital de Trauma, abrir as portas da unidade para um rolezinho com a Imprensa? Fica o convite para todos os jornalistas paraibanos, o governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, e o secretário de Saúde do Estado, Waldson Dias de Souza. Sintam-se em casa!

EM TEMPO
Fui informado agora há pouco que o paciente do Hospital de Trauma, Jaime Medeiros, continua sem atendimento cirúrgico (hoje é quarta). Segundo me informou um membro da família, como a fratura ficou muito tempo exposta, sem cirurgia, o risco de infecção agora é alto. Portanto, o rapaz terá de esperar pelo menos sete dias para sofrer o procedimento cirúrgico.

Nenhum comentário: