segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Luciano Cartaxo: “Estamos no caminho certo”


Ontem, depois da assinatura da ordem de serviço para o início da construção de mais um Unidade de Pronto Atendimento (UPA), agora no bairro de Cruz das Armas, o Prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, me recebeu para um bate-papo, nos moldes do que eu tive com Nonato Bandeira, o vice. “Acabei de chegar de Cruz das Armas. 

Essa é a segunda UPA que iniciamos a construção. A do Valentina pretendemos inaugurar em março e, até o fim do ano, devemos começar a do Geisel. E já conseguimos mais uma, que deve atender ao bairro dos Bancários”, disse um entusiasmado Prefeito ao me receber na porta do seu gabinete. 

Para não quebrar o entusiasmo do Prefeito, decidi não iniciar a conversa pelas questões políticas e mantivemos a conversa na área administrativa.  

As primeiras realizações

Além da construção das UPAS, Cartaxo fez questão de dar destaque às obras que estão em andamento, algumas, segundo ele, de largo alcance social. “Nós temos hoje 12 creches em construção. Municipalizamos todas as creches do estado que funcionavam dentro do município de João Pessoa.” 

O prefeito pessoense mencionou outra ação que ele considera de grande relevância: o passe-livre para os estudantes da Rede Municipal, uma reivindicação histórica do movimento estudantil. “Enquanto no resto do país os estudantes iam às ruas reivindicar o passe-livre, em João Pessoa isso já não era mais necessário.”

Comparações

Na área da mobilidade urbana, Cartaxo considera que o primeiro ano de sua gestão fez mais realizações do que nos oito anos em que Ricardo Coutinho governou a cidade e o estado. Nesse tempo, muita coisa poderia ter sido feita. 

“Veja o caso do Viaduto do Cristo. Ricardo nada fez para melhorar o transito daquele lugar, que estava virando um caos. Em menos de um ano, viabilizamos uma solução que acabou com aquele gargalo. Além disso, pavimentamos a orla, estamos duplicando a avenida que corta o bairro do Altiplano e investimos pesado em iluminação. A cidade já nota a diferença.”

Para Luciano Cartaxo, Ricardo Coutinho não governa olhando para o longo prazo, faltando as suas administrações uma visão estratégica. 

“Muita coisa deixou de ser feita sob o argumento de que a realização de obras impediam. Eu cito um exemplo: o FENART, que há três anos não acontece na Paraíba. Foi a economia com a não realização desse importante festival que o governo financiou a reforma do Espaço Cultural.” 

Uma outra característica que Cartaxo identifica no modo ricardista de governar é o esforço que ele faz de desvalorizar o passado, especialmente o que os governos anteriores fizeram. 

“E é bom não esquecer que as principais obras do governo atual se iniciaram em governos passados: pavimentação de estradas e Centro de Convenções são exemplos disso”. 

Um caso emblemático dessa postura foi o do Rodoshopping, de Caldas Brandão. 

“Sob o argumento de que estava oferecendo treinamento aos lojistas, o governador levou três anos para entregou a obra. Resultado, no dia que foi fazer isso, o pavimento cedeu, provavelmente por falta de uso.” 

Para o prefeito, o maior absurdo e uma amostra da falta de planejamento, é o que está acontecendo com o Campeonato Paraibano, que ficou ameaçado de não acontecer por conta da situação precária dos estádios de futebol administrados pelo governo do estado.

Inovação administrativa e diálogo

O desafio a atual administração pessoense, segundo o Prefeito, é manter o ritmo, dar continuidade às obras e primar pela inovação com o objetivo de imprimir uma marca própria. 

“Assim como aconteceu no plano federal, temos a clara consciência de que o PT não pode errar em João Pessoa. E eu avalio que estamos no caminho certo”, disse Cartaxo quando se referiu às expectativas sobre sua administração. 

Para o prefeito, a gestão tem muito de continuidade, mas é preciso inovar, introduzir novas práticas políticas e administrativas e novos projetos. 

“E isso só pode acontecer se nós soubermos onde queremos chegar. E nós sabemos.” 

Mas, para atingir esses objetivos, Cartaxo aposta no diálogo e na negociação. 

“Nós não somos os donos da verdade e nem temos a ilusão de que estamos imunes à crítica. Precisamos de parceiros, dentro e fora da administração. Quem quiser contribuir para aperfeiçoar a gestão terá sempre um canal aberto na Prefeitura.”

Trabalhar os valores da cidade

Luciano Cartaxo acredita que também é papel da administração municipal trabalhar para melhorar a autoestima dos cidadãos pessoenses. E para tanto é essencial potencializar o valores que compõe as nossas tradições como povo e como cidade. 

“Todos os eventos que promovemos tem esse objetivo. Tudo está articulado numa estratégia que envolve a divulgação da cultura, do nosso patrimônio histórico, artístico e cultural, onde também se insere a política de turismo. Um exemplo disso foi a criação da nossa Orquestra Sinfônica do Município e a realização do Festival Internacional de Música Clássica. Este último aconteceu no interior das igrejas que compõem o nosso patrimônio histórico”. 

Outra ação que o prefeito considera importante foi o apoio dado aos clubes de João Pessoa, em especial, ao Botafogo, pelo desempenho que teve no ano passado. No ano passado, o Botafogo completou 10 anos sem vencer um campeonato paraibano. 

Quando eu disse que era exatamente o período em que Ricardo Coutinho permaneceu na Prefeitura de João Pessoa, Cartaxo fez um ar de riso concordando.


O espaço acabou e não foi possível tratar de política. Amanhã eu volto à conversa com Luciano Cartaxo e sobre suas opiniões sobre 2014, blocão, Nadja Palitot, a relação com Luciano Agra e o rompimento com o vereador Raoni Mendes.

Nenhum comentário: