quarta-feira, 13 de outubro de 2010

MULHER DE SERRA JÁ FEZ ABORTO. ELA SE CONSIDERA "ASSASSINA DE CRIANCINHA"?

O que você acha de uma mulher que já fez aborto e, por razões eleitorais, não apenas concorda, mas defende que o seu marido-candidato torne a condenação dessa prática o centro de sua campanha? Que, para atacar a adversária (uma outra mulher), chega ao ponto de dizer que ela defende o assassinato de "criancinhas"? Pois bem, essa mulher existe e é real. Ela se chama-se Mônica Serra, esposa do candidato do PSDB à presidência, José Serra, ambos envolvidos na campanha de segundo turno numa verdadeira cruzada contra o aborto.

Quem confirmou que Mônica Serra já fez aborto foi uma de suas ex-alunas na Unicamp, cujo nome é Sheila Ribeiro. Ela contou essa história na sua página pessoal no Facebook (que é cadastrado pode acessar clicando aqui). Ela é solidária com a dor de sua ex-professora, mas desmascara sua hipocrisia. Transcrevo abaixo o texto de Sheila.

RESPEITEMOS A DOR DE MÔNICA SERRA

Meu nome é Sheila Ribeiro e trabalho como artista no Brasil. Sou bailarina e ex-estudante da Unicamp onde fui aluna de Mônica Serra.

Aqui venho deixar a minha indignação no posicionamento escorregadio de José Serra, que no debate de ontem, fazia perguntas com o intuito de fazer sua campanha na réplica, não dialogando em nenhum momento com a candidata Dilma Roussef.

Achei impressionante que o candidato Serra EVITA tocar no assunto da DESCRIMINALIZAÇÃO do aborto, evitando assim falar de saúde pública e de respeitar tantas mulheres, começando pela SUA PRÓPRIA MULHER. Sim, Mônica Serra já fez um aborto e sou solidária a sua dor.

Com todo respeito que devo a essa minha professora gostaria de revelar publicamente que muitas de nossas aulas foram regadas a discussões sobre o aborto, sobre o seu aborto traumático. Mônica Serra fez um aborto. Na época da ditadura, grávida de 4 meses, Mônica Serra decidiu abortar, pois que seu marido estava exilado e todos vivíamos uma situação instável. Aqui está a prova de que o aborto é uma situação terrível, triste, para a mulher e para o casal, e por isso não deve ser crime, pois tantas são as situações complexas que levam uma mulher a passar por essa situação difícil. Ninguém gosta de fazer um aborto, assim como o casal Serra imagino não ter gostado. A educação sobre a contracepção deve ser máxima para que evitemos essa dor para a mulher e para o estado.

Assim, repito a pergunta corajosa de minha presidente, Dilma Roussef, que enfrenta a saúde pública cara a cara com ela: se uma mulher chega em um hospital doente, por ter feito um aborto clandestino, o estado vai cuidar de sua saúde ou vai mandar prendê-la?

Nesse sentido, devemos prender Mônica Serra caso seu marido fosse eleito presidente?

Pelo Brasil solidário e transparente que quero, sem ameaças, sem desmerecimento da fala do outro, com diálogo e pelo respeito a dor calada de Mônica Serra.

3 comentários:

Anônimo disse...

SERÁ QUE O SERRA MANDOU ABORTAR, MATAR O PRÓPRIO FILHO? SERÁ QUE É UM ASSASSINO?
E O FILHO QUE A SUA SECRETARIA (AMANTE) COORDENADORA DA CAMPANHA ABORTOU, TAMBÉM ERA DO SERRA?

Anônimo disse...

SERÁ QUE O SERRA MANDOU ABORTAR, MATAR O PRÓPRIO FILHO? SERÁ QUE É UM ASSASSINO?
E O FILHO QUE A SUA SECRETARIA (AMANTE) COORDENADORA DA CAMPANHA ABORTOU, TAMBÉM ERA DO SERRA?

Anônimo disse...

Será que um dia vocês petistas vão ter vergonha na cara? Para encobrir suas safadezas caluniam aos outros, tudo para ganharem as eleições.
Como viram que a eleição tava perigando, começam as calunias.